Tem muita gente que não acredita que pode conhecer alguém especial através da internet, no entanto, temos aí muitas histórias que provam precisamente o contrário.

Hoje vou-lhe dar a conhecer a história de Adriana Simões Vieira, 36 anos, São Paulo (Brasil):

“Chega uma hora na vida em que a gente quer sossegar, encontrar um homem e casar. Infelizmente, não podemos chegar para os homens e dizer: “Oi, meu nome é fulana. Você está a fim de um relacionamento sério?”. Seria ótimo, né? Pouparíamos muito sofrimento e faríamos uma grande economia de tempo. Foi por isso que decidi resolver minha situação de um jeito bem prático e objetivo. Como estava com mais de 30 anos e já não tinha tanto tempo assim para encontrar um bom partido, me cadastrei em um site de encontros.

Não queria mais dividir a conta
Não é que esteja difícil de arrumar homem. O difícil é arrumar homem bom. Eu queria alguém de quem eu gostasse, claro, mas que também me bancasse e me desse uma vida de princesa. Em troca, eu seria uma esposa dedicada e companheira.

relacionamento serio começou na internet

Meus últimos relacionamentos tinham sido com homens que não queriam nem saber de compromisso. Para piorar, minha situação não ajudava muito. Eu morava com meus pais numa casinha na periferia e dormia no mesmo quarto com os dois! Como se não bastasse, em 2009 perdi o emprego, e ficou impossível pagar minha faculdade de análise gerencial.

O jeito era usar a internet. Em outubro de 2009 criei um perfil bem atraente num site de encontros. Coloquei minhas qualidades e uma foto com um belo sorriso. Fui honesta na descrição: não menti peso nem altura, disse que estava desempregada mesmo e que morava na perifa. Me cadastrei na versão gratuita do site, que não me deixava acessar o perfil completo das outras pessoas nem mandar mensagens, só responder. “Que eles venham a mim”, pensei.

Eu tinha uma meta: arrumar um marido. Por isso, continuei firme. E foi por causa dessa persistência que conheci o Carlos em janeiro de 2010, após três meses de procura. Foi ele quem me mandou mensagem primeiro, mas eu não conseguia responder, porque ele tinha parado de pagar o site. Aí, o danado me adicionou no Orkut. Nossa, ele era lindo! A idade batia com o que eu queria e ele morava num bairro bom.

O Carlos era empresário, educado e escrevia tudo certinho no chat. Na webcam, estava sempre arrumado. A gente marcou um cinema, e ele chegou todo elegante, com cheiro de perfume bom. Ele pagou o ingresso, claro. O único problema é que ele era tímido e não tentou me beijar durante o filme. Aí eu não sabia se tinha gostado de mim ou não. Nem pegou na minha mão! Na hora de me levar embora, a surpresa: ele tinha um carrão importado do ano!

Começamos a namorar em fevereiro de 2010, e minha vida mudou. Ele fez coisas que nenhum outro fez. Pagou minha faculdade até eu me formar e sempre me levou a shoppings bons e restaurantes finos. Depois de alguns meses, trocou todo o meu guarda-roupa!

Nos casamos no civil em julho de 2011. Hoje tenho um carro e moro num apê lindo. Mas não fico só no bem bom, não. Quem limpa nosso apartamento sou eu. Lavo, passo e cozinho com gosto para o meu marido. E se precisar voltar a vender torta de frango para ganhar a vida, como já fiz, não tem tempo ruim. Sei de onde vim, e tem coisas que nunca vão mudar. E meu amor me aceita como sou.”

 

Se tal como Adriana você também deseja conhecer sua alma gémea, eu recomendo que comece por se cadastrar e procurar num dos site de relacionamento da nossa lista – AQUI.

 

Fonte da história: aqui